Tecnologias aprimoram e agilizam tomadas de decisão na suinocultura

As várias soluções tecnológicas proporcionam assertividade e agilidade no processo produtivo, a opinião é de Beate von Staa, da TOPGEN.

O emprego de alta tecnologia tem aprimorado e agilizado as tomadas de decisões na suinocultura. A Eurotier, realizada em novembro de 2022, na Alemanha, apresentou algumas das principais novidades para o setor. Diversos profissionais do Brasil participaram do evento e revelam o potencial cada vez maior de tomadas de decisões mais rápidas e assertivas.

“A evolução na tecnologia digital em sua abrangência de aplicações chamou muito a atenção. A evolução digital como evolução da automação. Além da variedade em aplicações, a quantidade de informações coletadas para o auxílio nas diversas tomadas de decisão, tornando-as mais assertivas e menos influenciadas por eventuais subjetividades. Tudo isto user friendly, ou seja, muito fácil de ser utilizado por qualquer usuário e geralmente na palma da mão. Coleta de dados através de sistemas de sensores capazes de monitorar parâmetros comportamentais dos animais para os diversos indicadores fisiológicos, como fome, doença, cio, etc. Tudo isto ainda individualizado, ou seja, possibilita, por exemplo, aplicar um tratamento a um determinado animal no lugar de aplicar o mesmo tratamento a um grupo de animais ou ao rebanho todo”, destaca Beate von Staa, da TOPGEN – Genética Suína.

De acordo com ela, as várias soluções tecnológicas proporcionam assertividade e agilidade no processo produtivo. “Consegue-se, por exemplo, através do monitor de tosse, identificar uma doença respiratória antes do que normalmente um produtor a identificaria. Tanto a agilidade quanto a assertividade possibilitam tratar ou analisar os animais individualmente”, reforça o profissional.

Para ela, essas novidades podem ser aplicadas na suinocultura brasileira. “Tudo pode ser aplicado aqui. O brasileiro, de uma forma geral, é muito receptivo a novas tecnologias”, menciona, destacando ainda que um dos temas apresentados que chamou sua atenção foi o de diminuir o excedente de nutrientes na nutrição para ajudar nas questões de custos e nas questões ambientais, principalmente nas emissões de CO2. “Além de redução de CO2, a busca para redução de nitrogênio também é muito grande. Eu vejo que a liberação de nitrogênio no ambiente é uma preocupação maior que a sociedade tem com relação à produção intensiva de animais”, mencionou, lembrando que outro tema que foi discutido foi sobre as formulações nutricionais sem ou com menos Óxido de Zinco.

Outras percepções

Em entrevista a O Presente Rural, Beate von Staa falou que sentiu a falta de orientais e russos no evento. “Nesta Eurotier percebemos ausência do público russo e uma redução do público oriental. Os europeus, de uma forma geral, estavam muito mais focados em encontrar respostas para a continuidade viável da produção suinícola”.

Outro item que chamou a atenção foram soluções para produção de insetos, que servirão de fontes de proteína para ração. “Pode-se afirmar que tudo que estava exposto na feira tinha como propulsor ou pano de fundo a economia circular, a sustentabilidade e as mudanças climáticas”, cita. “Outro item que chamou a atenção foi a quantidade de organizações ligadas ao fomento para inovação, como universidades, institutos, financiadoras e organizações para apoiar os jovens a ingressar no ramo da produção animal”, diz a profissional.